• Confraria Da Folia

Contra a maré...

Tá valendo a pena insistir neste carnaval?


(*) Por Édy Dutra


Foto: Nilveo Pereira Christiano/NPC/Confraria da Folia

No próximo final de semana, o Complexo Cultural do Porto Seco recebe novamente os desfiles das escolas de samba de Porto Alegre, após ficar sem em 2018. Um alívio para todos aqueles apaixonados por esta cultura popular. Mas, mesmo com essa felicidade da volta dos desfiles, há muitos (MUITOS) que ainda não estão confiantes. E como o ser humano tem essa triste tendência em dar mais crédito ao que é ruim do que às coisas boas, as dúvidas e críticas daqueles que não apostam no sucesso dos desfiles, acaba minando os que ainda acreditam na retomada da avenida.


Foto: Nilveo Pereira Christiano/NPC/Confraria da Folia

É sabido que as escolas irão desfilar com suas próprias forças, sem ajuda financeira do poder público ou alguma parceria privada. O que por um lado pode ser um belo puxão de orelha nas agremiações que ficam o ano inteiro paradas, esperando cair recurso do céu. O poder público tem como premissa fomentar a cultura, todos sabemos. Mas a escola de samba também deve buscar fazer sua lição de casa de forma correta, trabalhando o ano inteiro, criando promoções, incentivando a comunidade, criando projetos, indo atrás de parcerias.


O descrédito do empresariado não pode ser representado apenas como preconceito. Sabemos que as escolas também têm sua parcela de culpa.

E olhar para dentro de si, reorganizar a casa e ir adiante é tarefa de TODOS. É difícil, sabemos. Mas é preciso ser persistente. Não podemos contar com a boa vontade do poder público, ainda mais nesse período onde fazer cultura é sinal de vadiagem, como lá no início do século XX.


Mesmo com todas essas dificuldades, as escolas se organizaram. Bem ou mal, se uniram, buscaram uma alternativa para não deixar a cidade mais uma vez sem o samba na passarela. E isso é LOUVÁVEL. Em tantos anos de carnaval, poucas vezes se viu as escolas unidas, buscando todas o mesmo objetivo. É um tempo de remar na mesma direção. Mas, jogando contra a maré, surgem as fakenews, os boatos dizendo que recolheram a verba, que não vão montar estruturas, que não vai ter isso, que vão barrar aquilo, que Fulano disse, que Beltrano afirmou aquilo. Nada vindo de fonte oficial. E tudo saindo de gente do próprio meio carnavalesco.


Parece haver um certo prazer em espalhar algo que não é verdadeiro para prejudicar a esperança de quem está aguardando para ver sua escola desfilar. Aquela pequena vontade de torcer contra para poder, ali adiante, dizer: eu avisei!

Eu acredito muito na transmissão de energia. E creio que a gente recebe a mesma energia que emana - famosa lei do retorno, só de que forma energética. Aqueles que, mesmo com comentários, posts e pensamento contrário aos desfiles, acabam por, ali adiante, também sentirem falta. Se todos gostam do carnaval, admiram suas escolas de samba - independente se o João ou a Maria são os presidentes - deveriam unir suas energias positivas e torcer para o sucesso do evento. É fundamental que tenhamos um evento positivo para ganharmos força e trilhar um caminho de sucesso nos próximos anos.


Foto: Nilveo Pereira Christiano/NPC/Confraria da Folia

Tá valendo insistir no carnaval de Porto Alegre? SIM, tá valendo! A estrutura não é a mesma dos outros anos? NÃO É. Infelizmente. Mas teremos! Já é um grande passo, pois até pouco tempo, nem isso era garantia. Teremos arquibancadas? NÃO TEREMOS. Infelizmente. Mas o espaço para o público estará lá. Porto Alegre precisa descer degraus para poder subir novamente. Mas o carnaval da cidade não vai subir sozinho. Se o povo não pegar junto, não sairemos dos degraus de baixo.


E aí não adianta ficar criticando na rede social. Se o povo não se fizer presente na sua escola, não fizer a sua parte, ele não estará contribuindo com o carnaval. Chegamos num ponto onde ou se pega junto ou ficaremos parados aqui, no fundo do poço.


Precisamos ser a mola que joga nosso carnaval para cima e não o peso que o mantém para baixo.

Um voto de confiança neste momento tão delicado, pode definir o futuro de uma cultura de mais de 70 anos na cidade. Vamos insistir no carnaval de Porto Alegre.