• Confraria Da Folia

Escolas aderem ao financiamento coletivo para custear o carnaval

Prática vem sendo adotada a exemplo de outras ações fora da área carnavalesca.


A prática do financiamento coletivo já vem se tornando comum nos dias de hoje. Diversas ações, eventos e campanhas utilizam essa forma de arrecadação para poder executar suas propostas. Em tempos onde conseguir apoio público ou patrocínio privado está cada vez mais difícil, grupos e organizações se juntam para mobilizar seus integrantes e simpatizantes a contribuir nas famosas vaquinhas. São muitas as vaquinhas virtuais que possibilitam às entidades adquirir fundos para realizar seus projetos.


No carnaval de 2020, Mangueira e Vai-Vai se tornaram exemplos de escolas de samba que ingressaram na proposta do financiamento coletivo para angariar fundos para construir o seu carnaval, já que apenas o dinheiro público (quando há), é insuficiente. Os financiamentos coletivos são uma forma também de fazer com que torcedores, integrantes e simpatizantes contribuam, mesmo que indiretamente, na elaboração do desfile, financiando material, mão de obra e serviços para que a escola de samba apresente seu trabalho dignamente na avenida.


Em Porto Alegre, algumas escolas já começaram suas campanhas de financiamento na internet. Confira abaixo os links para poder contribuir.


IMPERADORES: http://vaka.me/866623

RESTINGA: https://apoia.se/tinga2020

ACADÊMICOS DE GRAVATAÍ: http://vaka.me/828667

REALEZA: https://vaka.me/879069

MOCIDADE IND. LOMBA DO PINHEIRO: http://vaka.me/879843