• Confraria Da Folia

Quando Prata vale Ouro: o show da Vila Isabel na segunda noite de Festival de Sambas 2022

Onze escolas se apresentaram na noite de sábado, 09, na quadra da Imperatriz.


A segunda etapa da disputa do Festival de Samba sacudiu a quadra da Imperatriz Dona Leopoldina. Em alto nível, escolas do Bronze, Prata e Ouro fizeram bonito nas apresentações para o público, que compareceu em peso para prestigiar o evento, e viram, como destaque da noite, o show da azul e amarelo de Viamão, a Unidos de Vila Isabel.


A noite começou pelo Bronze, onde quatro escolas de samba fizeram suas apresentações. Representante de Canoas, a Unidos do Guajuviras reeditou o samba de 1996, "Do Sonho à Realidade - Amazônia, Patrimônio da Humanidade" (Carlos José de Paula). A verde e branco da Ipiranga, Acadêmicos da Orgia, cantará em 2022 o seu próprio bairro, Santana, com o samba que foi muito bem cantado pelos integrantes, "Em Verde e Branco, Acadêmicos da Orgia Declama... Seu Amor ao Bairro Santana" (Mamau de Castro e Leandrinho LV).


Time de musas da Protegidos. Foto: Édy Dutra/Confraria da Folia

Terceira escola a se apresentar, a Protegidos da Princesa Isabel se mostrou em grande estilo. A tricolor de Novo Hamburgo, que trouxe um grupo show numeroso, favorecendo o seu canto na pista de apresentação para o samba "Tem um triângulo amoroso na tricolor: Arlequim, Colombina e Pierrot" (Diego Bodão, Rafael Tubino, Marquinhos Brum, Dodô Ananias e Diego Brambila). Encerrando as apresentações pela série Bronze, a Filhos de Maria apresentou o samba "Portoanas n°03, Uma Sinfonia em Porto Alegre, a orquestra que “Villa” sonhou" (Alessandro Anthunes, Leandro Anthunes, Ary Luis, Digo Moreira, Wandy ZL, Flavio Ramires). Destaque para a bateria comandada pelo mestre Jamys, que sacudiu o público na quadra.


Show da Vila Isabel foi destaque no sábado. Foto: Édy Dutra/Confraria da Folia

No Prata, duas escolas finalizaram a disputa no grupo. Com uma apresentação digna de grupo principal, a Unidos de Vila Isabel mostrou um show irretocável. Canto forte dos componentes animou o público, que interagiu com a escola.


Aryzinho e Leandrinho LV na Harmonia da Vila Isabel. Foto: Édy Dutra/Confraria da Folia

Bateria e Harmonia mantiveram o andamento em alto nível, ajudando os destaques em sua evolução e favorecendo o canto da escola na apresentação do samba "Miraguaí! Povo Alegre em um Porto Alegre!" (Juliano Centeno, Leandro Gaúcho, Manoel Neto, Gabriel Machado, Rico Bernardes e José Lopes).


A corte da bateria da Vila Isabel. Foto: Édy Dutra/Confraria da Folia

A Realeza contou com o show já esperado da Bateria Sem Carinho, de mestre Lipo, que conduziu de forma competente o samba da escola, "Eles Combinaram de Nos Matar, Nós Combinamos de Não Morrer" (Leandrinho LV, Xandinho Nocera, Nando do Cavaco, André Filosofia, Nellipe Costa, André Machado, Diley Machado, Giuliano Paim, Edson Liz, Alcides Júnior, Thiago Tarlher e Ronny Potolski).


Jair Filho e Aisha Costa, primeiro casal de mestre-sala e porta-bandeira da Realeza. Foto: Édy Dutra/Confraria da Folia

A disputa no Ouro iniciou com a Imperadores do Samba, que tingiu de vermelho a pista de shows. A apresentação enérgica da escola, comandada pela harmonia de Sandro Ferraz e a bateria Sinfônica de mestre Jair, contagiou o público. Gustavo Tiriri e Nathy Cruz, primeiro casal de mestre-sala e porta-bandeira brilharam no show durante a defesa do samba "Um Espetáculo Entre os Palcos da Cidade" (Fagner Presidente, Chico Professor, Fred Feijó, Maninho Veiga e Marcele Cassalha). Em seguida, foi a vez da anfitriã, Imperatriz Dona Leopoldina. A laranja e preto cantou o respeito às mulheres com apoio do público. O samba "Me Respeita!" (Andy Lee, Vinícius Maroni, Vinícius Brito, Victor Nascimento e Lucas Donato) foi cantado forte pela quadra. Destaque para a bateria de Laranja Mecânica, do mestre Chiquinho Capelão, a bateria mais numerosa dos dois dias de festival.


Destaques de Imperadores e Imperatriz. Fotos: Édy Dutra/Confraria da Folia

Retornando à elite do carnaval, a Fidalgos e Aristocratas apresentou o samba "Fidalgos no Mundo da Lua" (Bruno Martins e Akauã Pedroso). Bruno Martins e Renan Ludwig conduziram o samba da tricolor da Ipiranga com auxílio potente da bateria Cadência do Fifi, comandada pelo mestre Sandro Gravador. A penúltima apresentação da noite ficou por conta da onça negra, Acadêmicos de Gravataí. Com o samba "Kambô: Vem da Floresta, o Ritmo de Cura da Humanidade" (Viny Machado, Leandrinho LV, Nando do Cavaco, Jacopetti, Xandinho Nocera, Giuliano Paim, Rodrigo Godoi, Thiago Tarlher, Diley Machado, Alcides Júnior, André Filosofia e Ronny Potolski), a vermelho, preto e branco pisou firme na pista de apresentações com o seu grupo show numeroso, embalados pelo ritmo forte da bateria Pegada da Onça, de mestre Ninho Pujol.


Destaques de Fidalgos e Aristocratas e Acadêmicos de Gravataí. Fotos: Édy Dutra/Confraria da Folia


Encerrando as apresentações da série Ouro e também do festival, o Império da Zona Norte apresentou o samba "Memórias da Zona Norte Ressoam Tambores Imperianos. É o Presente Dourado "Pra ti" Mui Leal Porto Alegre" (Jéferson Lima, Jorge Goulart e Victor Alves). A escola tingiu de dourado a pista de shows, fazendo uma abertura com canto vigoroso dos componentes. A bateria Pulsação de Leão, comandada por mestre Krlinhhos Alcântara, manteve o ritmo do apresentação, favorecendo o canto dos integrantes.



RESULTADO SAIU NA MANHÃ DE DOMINGO


Presidente do Império, Ademir Moraes, o Urso, recebendo o troféu de melhor samba do carnaval 2022, pela Série Ouro. Foto: Édy Dutra/Confraria da Folia

Já passava das 6h da manhã quando Odir Ferreira, mestre de cerimônias do evento, anunciou os sambas vencedores dos três grupos. Pelo Bronze, a Protegidos da Princesa Isabel levou a vitória. No Prata, sem surpresas, o título ficou com a Unidos de Vila Isabel. E no Ouro, surpreendendo as expectativas do público, o samba vencedor foi do Império da Zona Norte. Presidente da escola, Urso recebeu emocionado o troféu de campeão do festival de sambas 2022 e discursou, afirmando que lutará sempre em prol do Império.


O júri do festival foi formado pelos seguintes convidados: Júlio Lucena (Mestre Inho), Edilson Freitas da Silva, Luiz André Ferraz (Chulé) e Cláudio Macedo. O quarteto avaliou as 21 escolas de samba nos dois dias de festival.


Confira mais imagens das apresentações de sábado: