• Confraria Da Folia

Realeza levará lugares sagrados para avenida em 2020

Escola da Série Prata lançou enredo no último domingo, 21.


Após cantar Dandara de Palmares no carnaval de 2019, quando obteve a 4ª colocação no grupo de Acesso, a Realeza aposta no misticismo para garantir vaga à elite do carnaval de Porto Alegre. A escola apresentou à comunidade o seu enredo para 2020, intitulado "Sagrados Cantos de Minha Encruzilhada", de autoria de Pedro Linhares. Retratar lugares considerados sagrados por diversos povos e civilizações é a ideia central do enredo. Confira abaixo a sinopse divulgada pela escola.


Logo enredo 2020 Realeza

SAGRADOS CANTOS DE MINHA ENCRUZILHADA


Sou onde tudo começa, onde tudo termina. Um lugar sagrado para o samba, para o morro, para a fé. Lá onde dou meus primeiros passos, onde batuco, onde giro a minha sorte. De ladeira em ladeira desço em andança, e pela linha do horizonte, meu lar - a casa é simples, mas pode entrar. Encontro o cruzeiro, reflexo da noite nas ruas em estrelas – eis a encruzilhada, os quatro cantos do meu cantar.

Como tudo que há sob o planeta, a natureza abençoada pela Grande Mãe Terra se faz ventre para a humanidade. No acalanto do abraço o primeiro canto é entoado, embalando a vida nos braços; e a maternidade se materializa em culto de amor à existência. Ao mundo nascer, abrigo do existir de cada espécie nos espaços encantados entre o céu e a terra. Das matas, ouço o vento cortar os ares com o clamor do povo indígena, primeiro povo a sacralizar. Como é verde a força da ancestralidade emanando a energia ritual! Do Alto Xingu ao povo Guajajara, o recado de união a todos os homens chega até a mim, em comunhão com tudo que é vivo. Sou a ligação com os deuses, sou o círculo da crença e em algo maior. E com a permissão do caboclo é cantinga é (en)cantada.

As águas dos rios e das cachoeiras me abençoam. Sou o o bálsamo da Iauaretê do Amazonas, do solo fértil do Egito banhado pelo Nilo, sou a vida eterno do Ganges, onde se banhar é um ato de purificação.

As pedras formam grandes monumentos incas, maias e astecas: o divino ganha forma e imagem – simbologia para civilizações em pirâmides e templos que me permitem tocar as nuvens.

E do palácio do corpo, novas construções se erguem em contemplação ao belo e ao místico de todos os povos. Romarias em procissão de Aparecida, o Cristo abençoando a maravilhosa cidade, lamentações em Jerusalém, reverência à Pedra Negra de Maomé, a paz do Templo de Lótus, até o Céu em construções de Pequim.

E na mão, sou o poder mágico de dividir em quatro o círculo da fé presente em todos estes lugares. Sou a cruz, trazendo a boa sorte de quem a carrega, a virtude para quem a recebe, a bonança para quem acredita. Em variedade de formatos e significados, sou os quatro pontos cardeais, os quatro ventos, a salvação, a palavra disseminada. Estou em todos os cantos!

A lua ilumina o sagrado sobre o profano das ruas e, no bolso do malandro escondido a sete chaves, me faço em proteção. Os batuques do meu samba se misturam com a fé batuqueira, a fé que move o negro a descer para o asfalto, guiados pelo dono do caminho, Exu Bará.

Laroiê, povo da encruza! Com seu agô, a licença para a minha gente se apresentar. A energia dos baluartes manifestada em Carnaval e o que poderia ser uma esquina qualquer torna-se meu lar.

Da viagem pelo mundo e pelos mundos, encontro o meu destino. O canto é entoado e ecoa aqui, na minha terra, no meu lugar, honrado nossos mestres, nossa ancestralidade. Meu morro em festa, se veste de rosa, lilás e branco para coroar o cruzamento da Carlos de Laet com a Carneiro Ribeiro – hoje referência para a comunidade, um símbolo da luta de cada morador em forma de alegria por edificar em glórias a sua morada.

Batizada, sou a Encruzilhada do Samba – a Realeza do meu espaço sagrado. Cruzando o mundo, o pulsar do meu coração bate em ritmo da bateria da Mimosa. O surdo marca o compasso celestial do local, agora santo em nome dos Deuses. E como não cair no samba? Se você não sabe o caminho, vou te mostrar...


INSCRIÇÕES ABERTAS PARA FESTIVAL DE SAMBA


Quem quiser concorrer na disputa de sambas da Realeza, deve entrar em contato através do e-mail festivalrealeza2020@hotmail.com, onde serão disponibilizados o Regulamento e a Ficha de Inscrição para os compositores. A ficha deve ser preenchida e reenviada ao mesmo e-mail para confirmar a inscrição. O valor da premiação será de R$ 2.000,00 e a final já tem data: 21 de setembro, na Encruzilhada do Samba.